Repensando a tecnologia da sala de aula

06/12/2017

Estudo recente afirma: desempenho real dos alunos sofreu consideravelmente quando a mídia digital foi usada em vez de textos impressos.

Após as descobertas recentes da pesquisa feita pelos psicólogos, Pam A. Mueller, da Universidade de Princeton e Daniel M. Oppenheimer, da Universidade da Califórnia, Los Angeles, mostraram que: os alunos que fazem anotações manuscritas tem desempenho melhor sobre os que tomam nota em seus computadores. A pesquisa indica ainda que, muita tecnologia nas salas de aula prejudica a capacidade de aprender dos alunos.

À medida que milhões de dólares são gastos no aumento do investimento em tecnologia de sala de aula, incluindo o uso dos iPads e livros eletrônicos pelos alunos, presume-se que o ambiente de aprendizagem na sala de aula deve refletir as realidades de alta tecnologia da cultura digital em que estudantes e seus pais vivem. Trabalhando sobre esta presunção, o estado da Califórnia aprovou uma lei em 2009, exigindo que todos os livros didáticos da faculdade estejam disponíveis em formato eletrônico até 2020. Na sequência do processo, o estado da Flórida aprovou legislação em 2011 exigindo que as escolas públicas convertam seus livros didáticos em versões digitais.

"Dada essa tendência", escrevem Patricia Alexander e Lauren Singer da Universidade de Maryland, "professores, alunos, pais e responsáveis ​​políticos podem assumir que a familiaridade e a preferência dos alunos com a tecnologia se traduz em melhores resultados de aprendizagem. Mas descobrimos que não é necessariamente verdade. "

Como pesquisadores em aprendizagem e compreensão de texto, Alexander e Singer se concentraram nas diferenças entre ler textos impressos e na mídia digital. "Embora novas formas de tecnologia da sala de aula, como os livros didáticos digitais, sejam mais acessíveis e portáteis," eles escrevem ", seria errado assumir que os alunos serão automaticamente melhorados pela leitura digital, simplesmente porque eles preferem".

Embora os alunos expressassem preferência pela leitura em telas e alegassem que eles apresentavam melhor quando o fizeram, a pesquisa mostrou, contrariamente as tais afirmações, que o desempenho real dos alunos sofreu consideravelmente quando a mídia digital foi usada em vez de textos impressos.

"A partir de nossa revisão da pesquisa realizada desde 1992, descobrimos que os alunos conseguiram compreender melhor as informações impressas para textos com mais de uma página". Alexander e Singer argumentam que isso "parece estar relacionado ao efeito disruptivo que a rolagem tem uma compreensão ". Surpreendida pela falta de pesquisa realizada no passado para testar o nível comparativo de compreensão associado à leitura de mídia impressa e digital, eles realizaram três estudos separados para explorar a capacidade dos estudantes universitários de compreender informações em papel e de telas .

Os estudos lançam novas luzes sobre as diferenças entre a leitura de conteúdos impressos e digitais, destacando a diferença entre a percepção dos estudantes sobre a eficácia dos hábitos de estudo e a evidência empírica que contradiz essa percepção.

Embora os alunos preferissem a maioria de leitura digital, e embora leiam mais rápido quando lêem de uma tela, acreditando que, portanto, sua compreensão era melhor, os resultados mostraram claramente que a compreensão geral era melhor quando os alunos liam de textos impressos.

A pesquisa sugeriu que a mídia digital funcionava, além de imprimir quando se tratava de níveis superficiais de engajamento cognitivo, mas Alexander e Singer escrevem que "quando a tarefa de leitura exigir mais engajamento ou uma compreensão mais profunda, os alunos podem ser melhores para ler a impressão". por isso, eles sugerem que os professores devem conscientizar os alunos de que sua capacidade de compreender as atribuições pode ser influenciada pelo meio que eles escolherem.

Para aquelas almas de mentalidade tradicional que não se aproximaram do movimento digital, esta última pesquisa não será uma surpresa real. Tal como acontece com a pesquisa anterior mostrando que as notas manuscritas são melhor compreendidas do que as notas digitadas, esses resultados apenas demonstram que a verdadeira educação é sobre tomar o tempo, não desperdiçá-lo. Isso significa abrandar o suficiente para entender o que está sendo ensinado. É só então que os alunos se tornarão atraídos pela verdade e não serão distraídos pelas trivialidades.

 

JOSEPH PEARCE é um colega sênior do The Cardinal Newman Society e editor de seu periódico. Ele é um colaborador sênior do The Imaginative Conservative e editor sênior do Augustine Institute. Seus livros incluem trabalhos biográficos sobre C.S. Lewis, Shakespeare, Tolkien, Chesterton, Solzhenitsyn e Belloc.


Fonte: The Cardinal Newman Society